Mães de bebês prematuros poderão ter ampliado o período de licença-maternidade. O Senado aprovou na quarta-feira, 9, a PEC 99/15, que altera a Constituição para fazer contar a licença de 120 dias a partir do dia em que o bebê prematuro tenha alta do hospital, e não de seu nascimento.

Um acordo com o governo para assegurar a votação da PEC incluiu emenda restringindo a licença ao tempo máximo de 12 meses – sendo 120 dias de licença e oito meses de internação. A proposta, de autoria do senador Aécio neves, foi aprovada em primeiro e segundo turnos na Casa e agora segue para a Câmara.

Quanto aos custos para a Previdência Social, a relatora da PEC na CCJ, senadora Simone Tebet explicou que a cada dez bebês nascidos no país, somente um é prematuro. Além disso, a internação dessas crianças, na média, não costuma passar de 45 dias.

O presidente da Casa, Renan Calheiros, ressaltou que a PEC é uma das matérias mais importantes aprovadas pelo Senado neste ano. A medida também foi elogiada por senadores de vários partidos.