Dúvida do leitor

O leitor Leonardo Fernandes Amancio envia a seguinte dúvida ao Gramatigalhas:

"Com a reforma ortográfica, como fica o uso do hífen em relação aos dias da semana: escreve-se segunda-feira ou segundafeira, uma vez que não se usa mais o hífen quando o primeiro elemento termina com vogal, e o segundo começa com consoante, exceto h?"

1) Um leitor indaga qual das formas é correta: segunda-feira ou segundafeira? E justifica sua dúvida com a explicação de que, pelas regras do Acordo Ortográfico de 2008, não se usa mais o hífen quando o primeiro elemento termina por vogal, e o segundo começa com outra consoante que não seja h.

2) Em realidade, a dúvida do leitor resulta do fato de que ele se equivocou ao tomar uma regra de uso do hífen nos prefixos e tentou aplicá-la à formação dos substantivos compostos.

3) Nos prefixos, sim, existe uma regra segundo a qual não mais se emprega o hífen, se o prefixo termina por vogal e o elemento que vem após ele se inicia por consoante que não seja h. Assim, antedatar, contrapor, seminovo.

4) Mas com os substantivos compostos, as regras são diferentes, e existe uma determinação específica do Acordo Ortográfico para emprego do hífen nas palavras compostas por justaposição, que contenham um elemento numeral, e que constituam uma unidade semântica. É exatamente o caso de segunda-feira e dos demais dias da semana com mesma estrutura: terça-feira, quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira.

5) É na forma segunda-feira que o vocábulo aparece no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, editado pela Academia Brasileira de Letras, que é quem detém a autoridade para dizer oficialmente como se grafam os vocábulos do nosso idioma.

6) Apenas para complementar com informação importante, seu plural é segundas-feiras.

outras edições
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.