Cumprimento todos os amigos da ALUMNI e do IVNL, envio uma saudação calorosa aos Ministros Cesar Peluso, Carlos Velloso, Gilson Dipp, Sebastião Reis, cujas presenças tanto engrandecem esse evento, igualmente cumprimento o Presidente do IVNL José Paulo Sepúlveda Pertence, aniversariante nesse dia, ausente por motivo de saúde, colegas advogadas e colegas advogados, senhoras e senhores.

Rejuvenescemos, alguns anos, nós, do Instituto Victor Nunes Leal, a partir de quando iniciamos um período bastante produtivo em associação com a ALUMNI Direito da Universidade de Brasília.

Chamados para a laboriosa parceria, rejubilam-se os integrantes do IVNL, ao repetir o rito da longa jornada, e a memória nos transporta a um passado remoto, o dia 28 de junho de 1984, quando recebeu, nosso patrono, o título de professor emérito da UNB, sufragando naquele momento palavras que ainda ecoam em nossa lembrança.

Disse Victor Nunes Leal, no Auditório da Universidade de Brasília, ao receber o título de professor emérito (RDA, 160-267):

Minha vinculação a esta Universidade data de antes da sua fundação, quando Darcy Ribeiro, convidado por Cyro dos Anjos, que era subchefe da Casa Civil, se empenhava de corpo e alma naquela cruzada. Israel Pinheiro, presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital, receava os possíveis tumultos de uma universidade funcionando em Brasília, e Juscelino hesitava, embora ela estivesse prevista no plano de Lúcio Costa.

Oswaldo Trigueiro, grande conhecedor de história, em almoço comigo e Cyro dos Anjos, lembrou um episódio que poderia influir no espirito do presidente, o do epitáfio de Thomas Jefferson, por ele mesmo escrito. No seu breve texto, o grande estadista omitiu ter sido secretário de Estado e presidente do seu país, fazendo constar somente que havia fundado a Universidade de Virgínia, além de ter escrito a declaração da independência dos EUA e a lei de liberdade religiosa do seu estado.

Fui incumbido de levar esse estimulo ao Presidente Juscelino (...). Ele ouviu com muito interesse (...) e comentou: “Será que o Clóvis (referia-se ao ministro da Educação) pode ter esse projeto concluído antes da mudança da capital? ” Estávamos por volta de outubro de 1959. Respondi que (...), tudo já tinha sido feito por Darcy Ribeiro, juntamente com um grupo muito competente de professores e cientistas.

E assim a mensagem que acompanhou o projeto da Universidade de Brasília foi assinada pelo Presidente Juscelino, na nova capital, no dia da sua inauguração, 21 de abril de 1960”.

Nascia, assim, a Universidade, da qual tanto nos orgulhamos.

A gloriosa instituição sofreu dissabores, professores foram exonerados pela ditadura militar, muitos outros solidarizaram-se e em protesto seguiram a trilha do destino comum, afastando-se voluntariamente da docência, alunos, muitos, foram jubilados, por atos de força, mas o exemplo frutificou, fazendo dela, fortalecida com o passar do tempo, um marco de esperança e incentivo para os que buscam a liberdade de pensamento, tão carregada de deveres quanto promissora de glorias.

Muito nos envaidece essa florescente parceria com a associação que reúne seus ex-alunos do Curso de Direito, dinâmica, atuante e criativa, pela ação tão justamente celebrada de seu Presidente Ronald Barbosa e de seus dedicados Diretores.

A conjugação dos muitos esforços com a Direção da Faculdade resulta na criação da Cátedra Victor Nunes Leal, ministrada no Edifício que receberá seu nome, propiciando a volta do saudoso pensador para o campus, de onde ele veio, e oferecendo justificativa para a expressão que utilizamos em nossas primeiras palavras: rejuvenescemos, alguns anos, nós do Instituto Victor Nunes Leal, trazendo o universo que ele criou para o corpo discente tendo, ao nosso lado, a honrosa parceria com a Associação dos ex-Alunos de Direito da Universidade de Brasília.

______________

*Pedro Gordilho, presidente do Conselho Curador do Instituto Victor Nunes Leal – IVNL, em discurso por ocasião do jantar de confraternização com a ALUMNI Direito da UNB, dia 21/11/17.


Instituto Victor Nunes Leal


-