t

O uso de um software jurídico se torna cada vez mais necessário na atuação do advogado. Receber publicações jurídicas direto no email, ou acessar apenas um site quando as movimentações processuais já estiverem disponíveis, otimiza a rotina jurídica.

Já existem inúmeras opções de software, mas será que vale a pena utilizar um software jurídico gratuito para gerenciar seu escritório?

Praticidade no uso de software jurídico

Em novembro de 2016, o Brasil ultrapassou a marca de 1 milhão de advogados. Em um meio altamente competitivo é imprescindível ter agilidade. Pois bem, ao usar um software jurídico, o tempo gasto procurando suas publicações diariamente nos Diários Oficiais e de Justiça já podem ser solucionadas com a automatização.

Na maioria das vezes a decisão na contratação de um software se pauta no valor a ser pago por ele. Por isso, inicialmente o plano gratuito aparenta ser o mais atrativo. Para jovens advogados pode ser uma boa alternativa. Afinal, ainda não há um volume tão grande de processos a serem acompanhados.

Além disso, algumas empresas disponibilizam o teste gratuito das ferramentas. Para te ajudar a analisar as vantagens e desvantagens ao optar por um software jurídico gratuito, separamos 4 dicas.

#1 Prioridades do escritório

Se você tem escritório ou é autônomo, existem diversas atividades a serem executadas, certo? Por isso, criar uma lista com as tarefas necessárias a serem cumpridas diariamente ou semanalmente ajudará na escolha da ferramenta.

A partir desta lista, escolher o que é prioridade e o que pode ser otimizado pelo software será importante na hora da decisão.

#2 Recursos básicos

Ter que entrar todos os dias nos sites dos tribunais para conferir se há algo novo leva muito tempo. Uma das principais funcionalidades de um software jurídico é a automação de publicações e andamentos processuais.

Monitorar os processos em planilhas manuais é complicado. Além de demandar atenção e tempo, existe o risco de perder informações relevantes. O que impactaria diretamente no ganho de uma causa, por exemplo.

#3 Publicações jurídicas

Como já falamos acima no tópico sobre recursos básicos, é necessário, antes de decidir qual será o software escolhido, ver a abrangência dos diários deste ou daquele software. Se o plano gratuito cobre todos os diários, se é apenas um tribunal local e/ou também se monitora instâncias superiores.

Outra coisa que precisa ser levada em consideração é quantidade de publicações que o plano dá direito. Se o seu escritório tem em média quinze processos, um plano que oferece 20 publicações pode ser uma solução, já que atende à sua demanda em específico.

#4 Notificações

Receber alertas por email quando há uma nova publicação, ou um novo andamento, facilitará e muito o gerenciamento do escritório. Visto que a ideia da contratação de um software jurídico é justamente acabar com o acesso diário para conferir se há um novo andamento.

Também é importante conferir o tempo que a publicação fica disponível para visualização.

O fato é que por não ter um preço a ser pago, a primeira impressão pode parecer que é uma boa oportunidade usar um software jurídico gratuito. É preciso lembrar, também, que algumas funcionalidades o plano gratuito não cobre. Para entender isso na prática, algumas empresas disponibilizam o teste gratuito por 7 dias, o que pode ser uma alternativa para conhecer as funcionalidades do software.

__________

t*Caroline Capra é assistente de marketing da Advise. Produz conteúdos relacionados ao Direito e Tecnologia com o intuito de melhorar a rotina dos advogados.

ADVISE PRODUTOS E SERVICOS EM TECNOLOGIA LTDA