Durante o julgamento da ADPF 186, que questiona a constitucionalidade das cotas raciais nas universidades públicas, o voto do ministro do STF Luiz Fux foi interrompido por burburinho de um manifestante que acompanhava a sessão. O imprevisto acabou tirando a concentração do ministro, que pediu ao presidente do Supremo, ministro Ayres Britto, que determinasse silêncio no local.

Britto chegou a pedir silêncio ao desordeiro, mas foi necessário um rápido intervalo para que os seguranças da Corte retirassem o exaltado. O homem foi identificado como Araju Guarani, um índio do MT que pedia que a etnia fosse incluída no sistema cotista. Ele teria chamado os ministros do Supremo de "racistas" e "urubus".

- Foto: Folha -

leia mais