Para apurar se José Dirceu, réu do mensalão preso em Brasília, falou ao celular com secretário de Estado da BA, o MP/DF requereu à Justiça a quebra do sigilo telefônico dos celulares usados no Palácio do Planalto. A constatação faz parte de peça enviada pela defesa de Dirceu, os advogados José Luis Oliveira Lima, Rodrigo Dall'Acqua e Camila Torres Cesar.

Em 7/4, petição dos causídicos assinala que o ex-chefe da Casa Civil jamais teve acesso ou contato a telefone celular, conclusão a que chegou também o processo investigatório aberto para apurar a notícia divulgada em jornal.

Em outra peça protocolada no STF, a defesa de Dirceu assevera que o MP/DF pediu a quebra de sigilo de todas as ligações efetuadas e recebidas por celular, em período de 16 dias, informando coordenadas que correspondem ao Palácio do Planalto e ao Compexo da Papuda.

Um relatório de localização de coordenadas, assinado pelo engenheiro agrônomo Juvenal José Ferreira, foi apresentado pelos advogados para atestar o fato.

Ponto 1 - Latitude -15º47'56,86"S e Longitutde -47º51'38,67"W - cruzamento no Palácio do Planalto

Ponto 2 - Latitude 15º55'04,51"S e Longitutde 47º47'04,51"W - cruzamento no Complexo da Papuda

De acordo com os advogados, trata-se de "pedido genérico do MP, alcançando um universo indefinido de usuários de telefonia".

Ao final, a defesa de Dirceu requer a juntada dos documentos probatórios e reitera pedido de análise de trabalho externo do réu.

  • Processo relacionado : AC 3.599