"Bolorento, caquético e decadente" foram algumas das palavras utilizadas por um advogado ao se referir ao defensor da parte contrária nos autos. O advogado juntou petição de requerimento de habilitação em processo em trâmite na vara da Infância e da Juventude de Londrina/PR. Em vez do pedido, usou o documento para proferir as ofensas.

t

A petição se inicia com uma imagem. No texto, o causídico se dirige ao advogado da parte ré, dizendo ser uma resposta a imputações que lhes foram lançadas "pelo decaído e agonizante advogado".

"O bolorento, caquético e decadente patrono do réu lançou ultrajes e maldizeres a respeito daquele que esta subscreve."

Ele continua dizendo que responderá em primeira pessoa ao “decadente advogado”: “posso ser tudo o que disse, mas não renego os filhos, tampouco achaco os clientes com recibos de gastos por fantasiosos jantares com juízes”.

“Débil e senil, obsoleto e decadente. E vem tão decadente pessoa se arvorar em defensor de teses. Piada, não? Seu decrépito, achacador, renegador da prole, mal sujeito. Velho imundo!! Tome rumo, seu achacador, extorsionário!!!”

Veja a petição.

  • Processo: 0007526-91.2019.8.16.0014