O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na reunião ministerial ocorrida mês passado - que levou à saída de Sergio Moro do governo - que tem poder e que irá interferir em todos os ministérios, sem exceção.

“Eu não vou esperar o barco começar a afundar para tirar água. Estou tirando água e vou continuar tirando água de todos os ministérios. A pessoa tem que entender, se não quer entender, paciência. Eu tenho o poder e vou interferir em todos os ministérios, sem exceção.”

O presidente ainda destaca que nunca teve problemas com o ministro Paulo Guedes e, se tiver que interferir nos bancos, falará com ele.

“Nos bancos eu falo com o Paulo Guedes, se tiver que interferir. Nunca tive problema com ele, zero problema com Paulo Guedes. Agora os demais, vou! Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações.”

t

Sobre os bancos, o ministro Paulo Guedes afirmou: "tem que vender essa p... logo"

"É um caso pronto e a gente não tá dando esse passo. Senhor já notou que o BNDE e a Caixa que são nossos, públicos, a gente faz o que a gente quer. Banco do Brasil a gente não consegue fazer nada e tem um liberal lá. Então tem que vender essa p.... logo."

t

Divulgação

O ministro Celso de Mello decidiu nesta sexta-feira, 22, dar publicidade ao vídeo de reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e ministros de Estado. A decisão se deu no âmbito do inquérito que investiga declarações de Sergio Moro sobre suposta tentativa do presidente Jair Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal. Segundo o ex-ministro, o vídeo da reunião, registrado pelo Planalto, é uma das provas da alegada interferência.

Veja o vídeo da reunião.

-