O ex-presidente Lula ajuizou ação de reparação de danos morais contra quatro jornalistas da revista Veja. Na edição de 25/7/15, a capa traz a imagem de Lula com a chamada "A Vez Dele", que leva à reportagem na qual o ex-presidente é acusado de saber do esquema de corrupção na Petrobras.

São apontados na ação, protocolada nesta quarta-feira, 29, na 8ª vara Cível de Brasília, o diretor de redação Eurípedes Alcântara e os jornalistas Robson Bonin, Adriano Ceolin e Daniel Pereira.

De autoria de Robson Bonin em colaboração com Adriano Ceolin, a reportagem intitulada "Segredos Devastadores" noticia que Lula teria sido "comprado" pela empresa OAS, inclusive no período em que foi presidente. Conforme a matéria, agora, o ex-presidente da empresa, Leo Pinheiro, estaria negociando acordo de delação premiada para delatar crimes que envolveriam Lula em fatos investigados na Operação Lava Jato.

No texto com o título "O petrolão e o mensalão", o jornalista Daniel Pereira afirma que Marcos Valério teria "blindado" e "poupado" o ex-presidente, e que este seria um "dos seus antigos comparsas"

De acordo com a ação, patrocinada pela banca Teixeira, Martins & Advogados, todas as acusações e afirmações "não passam de uma farsa". Tudo teria sido "inventado" pelos jornalistas a fim de ferir a honra e a imagem do ex-presidente. Além disso, não haveriam elementos nos textos que desse suporte às alegações.

"Promover um atentado à honra e à imagem alheia sob a desculpa de que a versão estaria no pensamento de um sentenciado ou que poderia surgir em uma delação premiada inexistente é algo que não se pode admitir, sob pena e legitimar-se o jornalismo rasteiro e realizado sem a observância dos mais básicos princípios que se deve exigir no livre exercício da profissão."

Assim, apontando que os jornalistas extrapolaram o dever de informar e feriram a honra e a imagem de Lula, os advogados pedem que os réus sejam condenados a reparar os danos morais. O valor da causa é de R$ 100 mil.

Confira a ação.

______________