A procuradoria-Geral da República instaurou procedimento preliminar para analisar a possibilidade de abrir inquérito sobre um vídeo gravado pela presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, para a TV Al Jazira.

Na gravação, Gleisi defende o ex-presidente e critica a Justiça brasileira. Diz que Lula é preso político e que foi condenado por juízes parciais em processo ilegal, sem provas. Por fim, convoca "todos e todas a se juntarem na luta".

"Me dirijo ao mundo árabe através da Al Jazira para denunciar que o ex-presidente Lula é um preso político em nosso país. Lula é um grande amigo do mundo árabe."

Assista:


"A TV Globo, que domina a mídia no Brasil, fez uma campanha de mentiras contra Lula", afirma. Ela diz que a emissora está pressionando o Judiciário brasileiro a não conceder liberdade ao ex-presidente.

Ela diz que a prisão é a continuação do golpe que se iniciou em 2016 com o impeachment de Dilma. “Ela não cometeu nenhum crime, assim como Lula.”

Reação

A senadora Ana Amélia afirmou em plenário que, ao pedir apoio, Gleisi poderia ter violado a lei de segurança nacional e que espera que “essa convocação não seja um pedido para o exército islâmico atuar no Brasil”. Gleisi rebateu as declarações dizendo que a fala da colega representou “xenofobia e má-fé” com o povo árabe.

Também em plenário, o senador José Medeiros disse que a fala da parlamentar foi "um recado muito estranho" e que "espera que o PT não queira transformar um país pacífico em zona de guerra".