O presidente da República Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta quarta-feira, 10, que, entre os dois ministros que deverá indicar para o STF, "um deles será terrivelmente evangélico". Assista:

A afirmação aconteceu no culto de Santa Ceia realizado pela Frente Parlamentar Evangélica na Câmara dos Deputados. Em seguida, o presidente participou de sessão solene em comemoração aos 42 anos da Igreja Universal do Reino de Deus, na qual reiterou o compromisso de indicar um evangélico. “O estado é laico, mas nós somos cristãos.”

O culto é organizado semanalmente pela Frente Parlamentar Evangélica, mas geralmente ocorre em um plenário de comissão. Desta vez, foi realizado no Auditório Nereu Ramos, o maior da Casa Legislativa.

Bolsonaro é católico, mas a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, é evangélica. Na campanha eleitoral, ele contou com o apoio de grupos evangélicos e, desde que assumiu, vai com frequência a eventos evangélicos. Ele foi o primeiro presidente a participar da Marcha para Jesus, em São Paulo.

Promessa

Não é a primeira vez que o chefe do Executivo fala em indicar um ministro evangélico para o Supremo. No fim de maio, também em evento religioso, ele questionou: "Será que não está na hora de termos um ministro no STF evangélico?". Ele comentava recentes discussões da Corte como a criminalização da homofobia. 

"Com todo respeito ao Supremo Tribunal Federal, eu pergunto: existe algum, entre os 11 ministros do Supremo, evangélico? Cristão assumido? Não me venha a imprensa dizer que eu quero misturar a Justiça com religião. Todos nós temos uma religião ou não temos. E respeitamos, um tem que respeitar o outro."